quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Deus, fonte de toda autoridade

Reflexão para o 31º Domingo do Tempo Comum - Ano A


Mt 22,11-12: “O maior dentre vós deve ser aquele que vos serve. Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado” (Veja também: 1ª leitura: Ml 1,14b-2,2b.8-10; Salmo 131; leitura: 1Ts 2,7b-9.13; Evangelho: Mt 23,1-12).

Deus, fonte de toda autoridade
O Evangelho de hoje é uma das palavras de Jesus consideradas de difícil interpretação a uma primeira vista. Parece que Jesus proíbe os títulos de autoridade, como pai e mestre, porque todos são irmãos.
O equívoco de interpretação se desfaz pelo próprio texto, onde Jesus começa apontando algo de positivo nos mestres da lei e fariseus daquele tempo: “Os mestres da Lei e os fariseus têm autoridade para interpretar a Lei de Moisés. Por isso, deveis fazer e observar tudo o que eles dizem.” (Mt 23,2s) Ora, toda autoridade legítima vem de Deus e é necessária à organização da vida social e eclesial.
Este Evangelho também lembra, bem como a primeira leitura, que o peso da responsabilidade é tão maior quanto for a autoridade e o conhecimento. Os sacerdotes e mestres daquele tempo tinham sido tomados pelo egoísmo e arrogância, instrumentalizando sua autoridade legítima para fins próprios. Suas vestes, ornadas com os mandamentos, se tornaram meios de chamar a atenção para si, alimentando a vaidade. As vestes litúrgicas católicas, ao contrário, significam que a pessoa se esconde para que Deus aja, que a beleza da liturgia aponta para a verdadeira Beleza, diferente deste mundo.
Jesus ensina àqueles que têm responsabilidade, por mínima que seja, a agir com humildade, não atraindo para si os possíveis frutos de suas ações. Somos todos criaturas, filhos de um mesmo Pai; todo o que ensina, o faz por dom do Espírito, único Mestre, de onde provém toda a sabedoria; todo o que é guia para outros, não pode atrair ninguém a si, mas apontar o verdadeiro caminho, como o Cristo, o Guia, aponta para o Pai.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Angelus / Regina Coeli para baixar

Para incentivar a prática desta evangélica devoção, disponibilizo os textos e arquivos de áudio das orações do Angelus/Regina Coeli.
Dica: grave no seu aparelho para despertar!

Angelus
O Angelus (e o Regina Coeli, no Tempo Pascal) é uma oração muito antiga que faz memória da Anunciação do Anjo Gabriel à Nossa Senhora. É costume rezá-lo às 6h, 12h e 18h. Quem não puder guardar este horário, pode rezá-lo ao levantar, na hora do almoço e ao deitar.

Baixe o áudio:
Cantado em latim / Rezado em latim (Bento XVI) / Rezado em português


V/ Angelus Dómini nuntiávit Mariæ
R/ Et concépit de Spíritu Sancto.
Ave Maria grátia plena Dóminus tecum, benedícta tu in muliéribus et benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis peccatóribus, nunc et in hora mortis nostræ. Amém.
V/ Ecce ancílla Dómini
R/ Fiat mihi secúndum verbum tuum.
Ave Maria.
V/ Et Verbum caro factum est
R/ Et habitávit in nobis.
Ave Maria.
V/ Ora pro nobis, sancta Dei Génitrix
R/ Ut digni efficiámur promissiónibus Christi.
Oremus.  Gratiam tuam, quæsumus Dómine, méntibus nostris infúnde: ut qui Angelo nuntiánte, Christi Filii tui incarnatioónem cognóvimus; per passiónem ejus et crucem, ad resurrectiónis glóriam perducámur. Per eúmdem Christum Dóminum nostrum. Amém.

Se recita o Glória, inclinando-se:
GLORIA PATRI, et Filio, et Spiritui Sancto. Sicut erat in principio, et nunc, et semper, et in saecula saeculorum. Amen.

Em português
V/ O Anjo do Senhor anunciou a Maria,
R/ E Ela concebeu do Espírito Santo.
Ave Maria.
V/ Eis a escrava do Senhor.
R/ Faça-se em mim segundo a Vossa palavra.
Ave Maria.
V/ E o Verbo se fez Carne,
R/ E habitou entre nós.
Ave Maria.
V/ Rogai por nós, Santa Mãe de Deus,
R/ Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
Oremos.  Infundi, Senhor, em nossas almas a Vossa graça, para que nós, que conhecemos, pela Anunciação do Anjo, a Encarnação de Jesus Cristo, Vosso Filho, cheguemos, por sua Paixão e morte na cruz, à glória da Ressurreição. Pelo mesmo Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.



Regina Caeli
O Regina Caeli substitui o Angelus durante o Tempo Pascal e recita-se, em público, sempre de pé.
 R/ Regína Cæli, lætáre, alleluia;
V/ Quia quem meruísti portáre, alleluia;
R/ Resurréxit, sicut dixit, alleluia;
V/ Ora pro nóbis Deum, alleluia.
V/ Gaude et lætáre, Virgo Maria, alleluia.
R/ Quia surréxit Dóminus vere, alleluia.
Oremus.  Deus, qui per resurrectiónem Filii tui Dómini nostri Jesu Christi mundum lætificáre dignátus es: præsta, quæsumus; ut, per ejus Genitrícem Vírginem Mariam, perpétuæ capiámus gáudia vitæ. Per eumdem Christum, Dóminum nostrum. Amém.

Em português
R/ Rainha do Céu, alegrai-Vos, aleluia.
V/ Porque aquele que merecestes trazer no seio, aleluia,
R/ Ressuscitou como disse, aleluia.
V/ Rogai por nós a Deus, aleluia.
R/ Exultai e alegrai-Vos, ó Virgem Maria, aleluia.
V/ Pois o Senhor ressuscitou verdadeiramente, aleluia.
Oremos.  Ó Deus, que Vos dignastes alegrar o mundo pela Ressurreição do Vosso Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, fazei, por intercessão da Virgem Maria, sua Mãe Santíssima, que sejamos admitidos nas alegrias da vida eterna. Pelo mesmo Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.



Oração pelos fiéis defuntos e bênção:
V. Pro fidelibus defunctis réquiem aeterna dona eis Domine
R. et lux perpetua luceat eis. 
V. Requiéscant in pace. R. Amen.

V. Sit nomen Domini benedictum. / R. Ex hoc nunc et usque in saeculum
V. Adjutorium nostrum in nomine Domini. / R. Qui fecit caelum et terram.
V. Benedicat vos omnipotens Deus, + Pater, + et Filius, + et Spiritus Sanctus. / R. Amen