quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Boletim mensal para formação litúrgica "Memento" Dez/2009 disponível

Disponível para download no formato PDF. Imprima em folha A4 frente e verso e dobre ao meio para obter o boletim.
Multiplique e distribua na sua comunidade!

Baixar todos os boletins de 2009 (12 arquivos - formato ZIP)


Memento I-12. Dez/2009 - Natal do Senhor; O valor didático da liturgia; Lendas litúrgicas; glossário: rito, rubrica; Qual o modo correto de um ministro extraordinário comungar

Qual o modo correto de um ministro extraordinário comungar?

Antes da norma, o sentido: a Eucaristia é dom e ninguém a toma por si mesmo. É o próprio Cristo que se dá através da Igreja. Na liturgia eucarística, somente o sacerdote age in persona Christi, na pessoa/função de Cristo. Por isso, as seguintes normas do Missal Romano:

“160. Não é permitido que os próprios fiéis tomem, por si mesmos, o pão consagrado nem o cálice sagrado”.

“162. Na distribuição da Comunhão, o sacerdote pode ser ajudado por outros presbíteros eventualmente presentes. Se estes não estiverem disponíveis e o número dos comungantes for demasiado grande, o sacerdote pode chamar em seu auxílio os ministros extraordinários, isto é, o acólito devidamente instituído ou também outros fiéis, que tenham sido devidamente nomeados para isso. [...] Estes ministros não devem aproximar-se do altar antes de o sacerdote ter tomado a Comunhão; e recebem sempre da mão do sacerdote celebrante o vaso com as espécies da Santíssima Eucaristia a distribuir aos fiéis”.

Se nem os vasos contendo as espécies podem ser tomados, quanto mais tomar por si o próprio sacramento! Nem mesmo o diácono:

“182. Depois da Comunhão do sacerdote, o diácono recebe do próprio sacerdote a Comunhão sob as duas espécies e ajuda em seguida o sacerdote na distribuição da Comunhão ao povo”.

“249. O diácono comunga [...] da mão de um concelebrante, que lhe diz: O Corpo e o Sangue de Cristo (Corpus et Sanguis Christi), ao que ele responde: Amen”.

E somente sacerdotes concelebrantes ou o diácono podem ajudar na Fração do Pão e distribuição entre os vasos:

“240. Enquanto se diz o Cordeiro de Deus (Agnus Dei), o diácono ou alguns dos concelebrantes podem ajudar o celebrante principal a partir as hóstias para a Comunhão, tanto dos concelebrantes como do povo”.

Os sacerdotes concelebrantes podem comungar por si próprios:

“244. Depois o celebrante principal [...] comunga com reverência o Corpo de Cristo. O mesmo fazem os concelebrantes, que comungam por si mesmos. Depois deles, o diácono recebe do celebrante principal o Corpo do Senhor”.

“Assim no-lo ensina São Paulo: «Vós sois Corpo de Cristo e seus membros, cada um na parte que lhe toca» (1 Cor 12, 27). Com efeito, os membros não têm todos a mesma função: é isto que constitui a beleza e a vida do corpo (cf. 1 Cor 12, 14-17). É na diversidade essencial entre sacerdócio ministerial e sacerdócio comum que se entende a identidade específica dos fiéis ordenados e leigos. Por essa razão é necessário evitar a secularização dos sacerdotes e a clericalização dos leigos”. (Papa Bento XVI aos bispos do Regional Nordeste 2, 17/09/2009)

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O fim está próximo a todo tempo

Reflexão para o 33º Domingo do Tempo Comum

Mc 13,31: “Passarão o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão”.

A proximidade do fim do ano litúrgico, que culmina com a solenidade de Cristo, Rei do Universo, nos traz à memória os ditos de Jesus sobre a consumação da história.
A vida humana é marcada pela instabilidade e incerteza quanto ao futuro. O fim da história de cada um pode se dar a qualquer momento. O próprio Jesus admite que só o Pai conhece o dia e a hora final (Mc 13,32). Diante desta angústia humana, apresenta-se-nos algo definitivo: o sacrifício redentor do Cristo (Hb 10,12). Uma vez para sempre, foi aberta a possibilidade da vida feliz sem fim para além da morte. O único capaz de vencer a morte assumiu a condição de criatura para elevar consigo tudo e todos. Pela ressurreição, Cristo nos deu aquilo que não nos pertencia e não merecíamos, a vida plena em Deus, elevando à perfeição a obra de amor iniciada na criação. Como sinal dessa aliança, Jesus instituiu a Eucaristia como memorial de sua paixão e morte. Por ela, atualizamos e perpetuamos o sacrifício único e definitivo de Jesus, até que ele venha pôr fim à angústia da criação.
Somente Deus é definitivo, eterno, completo. Sempre falta algo nos seres criados. Se não faltasse, não seriam criaturas. Assim, não há nada de definitivo que podemos nos apoiar senão nas palavras de Jesus. “Passarão o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão” (Mc 13,31). Se alguém se apega às coisas que passam, esse pode passar junto com as coisas.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Por que só o sacerdote pode erguer as mãos na consagração e na doxologia?

O Missal não diz que o sacerdote ergue as mãos, mas sim que eleva o cálice e a patena.
O oferecimento é algo específico de sua condição sacerdotal. O gesto é feito por ele e contemplado pela assembleia, que se une ao seu gesto sacerdotal com um Amen, que deveria sair do fundo do coração e da alma.
O "Por Cristo" nada mais é do que o oferecimento do sacrifício recém efetuado na consagração. Ora, é próprio do sacerdócio oferecer o sacrifício da Missa, que com a Cruz possui uma identidade substancial.
Uma boa regra para a celebração litúrgica é: o que não está estabelecido ou previsto pelas normas, não seja feito. Isso evitaria a criação constante de novos “ritos” e a necessidade de lhes atribuir algum significado, e também evitaria o desvio de foco do essencial.
“Para se conseguir a uniformidade nos gestos e atitudes do corpo na mesma celebração, os fiéis devem obedecer às indicações que, no decurso da mesma, lhes forem dadas pelo diácono, por um ministro leigo ou pelo sacerdote, de acordo com o que está estabelecido no Missal” (IGMR 43).

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Anticatolicismo, um passatempo nacional

O artigo a seguir é uma tradução livre de http://www.archny.org/news-events/columns-and-blogs/blog---the-gospel-in-the-digital-age/index.cfm?i=14042.
O que o Arcebispo de New York escreve sobre os Estados Unidos pode ser aplicado, sem muitas variantes, também ao Brasil, quiçá a todo o mundo ocidental.

Márcio Carvalho da Silva.

Anticatolicismo

29 de outubro de 2009

O artigo a seguir foi apresentado em uma forma ligeiramente mais curta para o New York Times como um artigo de opinião. O jornal se recusou a publicá-lo. Eu acho que você poderia estar interessado em ler.


É falta!
Pelo Arcebispo Timothy M. Dolan
Arcebispo de Nova York

Outubro é o mês que saboreamos o ponto alto do nosso passatempo nacional [se referindo ao futebol americano], especialmente quando uma das nossas equipes de Nova York está na World Series!

Infelizmente, a América tem outro passatempo nacional, não agradável a todos: o anticatolicismo.

Não é exagero chamar o preconceito contra a Igreja Católica um passatempo nacional. Estudiosos como Arthur Schlesinger se referem a ele como "a mais profunda tendência na história do povo americano", enquanto John Higham descreveu como "a mais exuberante e tenaz tradição de agitação paranóica da história americana". "O antissemitismo da esquerda", é como Paul Viereck lê, e o professor Philip Jenkins tem como subtítulo de seu livro sobre o tema "o último preconceito aceitável".

Se você quer os dados mais recentes desta injustiça contra a Igreja Católica, não procure mais do que alguns desses seguintes exemplos de ocorrências ao longo das últimas duas semanas:


* Em 14 de outubro, nas páginas do New York Times, o repórter Paul Vitello expôs o triste caso do abuso sexual infantil na comunidade ortodoxa judaica do Brooklyn. Segundo o artigo, foram quarenta casos de abuso nesta pequena comunidade no ano passado. No entanto, o Times não demanda a mesma chamada quando ao abordar incessantemente o mesmo tipo de abuso por parte de uma pequena minoria de sacerdotes: lançamento dos nomes dos agressores, anulação do estatuto de limitações, inquéritos externos, liberação de todos os registros, e total transparência. Em vez disso, um advogado é citado incitando os policiais a reconhecer "sensibilidades religiosas", e nenhuma crítica foi oferecida do escritório da promotoria para permitir que os rabinos ortodoxos resolvessem esses casos "internamente". Dada a horrível experiência recente própria da Igreja Católica, não estou em boa posição para criticar os nossos vizinhos judeus ortodoxos, e não pretendo fazê-lo. . . mas não posso criticar este tipo de "indignação seletiva".

Naturalmente, esta indignação seletiva provavelmente não deve surpreender-nos em tudo, como já vimos muitos outros exemplos do fenômeno nos últimos anos, quando se trata da questão do abuso sexual. Para citar apenas duas: Em 2004, o professor Carol Shakeshaft documentou o problema generalizado de abuso sexual de menores em escolas públicas do nosso país (o estudo pode ser encontrado aqui, em inglês). Em 2007, a Associated Press publicou uma série de relatórios investigativos que também mostrou os inúmeros exemplos de abuso sexual por educadores contra estudantes de escolas públicas. Tanto o estudo Shakeshaft e os relatórios de AP foram essencialmente ignorados por jornais como o New York Times, que só parecem ter padres em sua mira.

* Em 16 de outubro, Laurie Goodstein no Times ofereceu uma primeira página, sobre a história do triste episódio de um padre franciscano que teve um filho com ela. Mesmo tendo em conta que a relação com a mãe foi consensual e entre dois adultos, e que os franciscanos têm tentado lidar justamente com as responsabilidades do sacerdote errante com seu filho, esta ação é ainda pecaminosa, escandalosa e indefensável. No entanto, alguém ainda tem de se perguntar por que uma velha história de um quarto de século sobre o pecado de um padre agora é mais urgente e interessante do que a guerra no Afeganistão, a saúde, a fome e o genocídio no Sudão. Nenhum outro clérigo de outras religiões não católicas parece merecer tal atenção.

* Cinco dias depois, 21 de outubro, o Times deu sua manchete principal para a decisão do Vaticano de receber os anglicanos, que haviam solicitado a união com Roma. É justo. Desleal, porém, foi a observação do artigo, que a Santa Sé quer atrair os anglicanos. Evidentemente, a realidade é, simplesmente, que há anos milhares de anglicanos têm pedido Roma para serem aceitos na Igreja Católica, com uma sensibilidade especial para a sua própria tradição. Como o Cardeal Walter Kasper, ecumenista chefe do Vaticano, observou: "Nós não estamos pescando na lagoa Anglicana." Não é o suficiente para o Times, para eles, este foi mais um caso do Vaticano convidando e atraindo inocentes, gente boa, avidamente tirando proveito sobre as atuais tensões internas no anglicanismo.

* Finalmente, o exemplo mais candente de todos veio de domingo com um trecho imoderado e indecente de Maureen Dowd nas páginas de opinião do Times. Em uma crítica que certamente nunca teria passado com os editores se tivesse criticado uma questão islâmica, judaica, ou afroamericana, ela cava fundo no manual nativista a usar todas as caricaturas anticatólicas possíveis, da Inquisição ao Holocausto, preservativos, a obsessão com o sexo, padres pedófilos, e opressão das mulheres, o tempo todo criticando o Papa Bento XVI por seus sapatos, o seu recrutamento forçado - junto com cada menino alemão da mesma idade - para o exército alemão, a sua abertura a ex-católicos, e suas boas-vindas recente aos anglicanos.

Não fosse suficiente, a questão que desencadeou seu espasmo - a visita atual às mulheres religiosas por representantes do Vaticano - é perfeitamente discutível, e dificilmente isenta para questionar legitimamente. Mas o seu preconceito, embora talvez apropriado para o jornal "Know-Nothing" [não sei de nada] de 1850, a Ameaça, não tem lugar em uma publicação de hoje.

Eu não quero sugerir que o anticatolicismo está confinado às páginas de New York Times. Infelizmente, abundantes exemplos podem ser encontrados em muitos locais diferentes. Não vou nem começar a tentar listar os muitos casos de anticatolicismo na chamada mídia de entretenimento, pois eles são tão comuns que às vezes parecem quase rotineiros e obrigatórios. Em outro lugar, na semana passada, o deputado Patrick Kennedy fez algumas observações extremamente imprecisas e inoportunas sobre os bispos católicos, como mencionado neste blog na segunda-feira. Além disso, o Legislativo de Estado de Nova York tem cobrado um imposto especial sobre a folha de pagamento para ajudar a Autoridade Metropolitana de Transportes a financiar o seu déficit. Esta legislação solicita que as escolas públicas sejam reembolsadas do custo do imposto; escolas católicas, e outras escolas privadas, não receberão o reembolso, custando milhares a cada uma das escolas - em alguns casos, dezenas de milhares - de dólares, dinheiro que o pais e as escolas dificilmente podem dar. (Nem pode a arquidiocese, que já garante às escolas $ 30 milhões por ano.) Não é uma questão de justiça básica para a escola e para as crianças e seus pais serem tratados todos da mesma forma?

A Igreja Católica não está acima de críticas. Nós, católicos, fazemos uma boa quantidade a nós mesmos. Congratulamo-nos e esperamos por elas. Tudo o que pedimos é que a crítica seja justa, racional e precisa, o que seria de esperar de qualquer um. A desconfiança e preconceito contra a Igreja é um passatempo nacional que deve ser "derramado fora" para o bem.

Acho que o minha própria experiência na história americana deve cuidado para não me prender a respiração.

Então, novamente, ontem foi a festa de São Judas, o santo padroeiro das causas impossíveis.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Qual o momento exato da consagração em que se deve estar de joelhos?

Em vez de falar do momento exato da consagração, a Instrução Geral do Missal Romano prefere dizer que a consagração acontece ao longo da Oração eucarística, definida, no n. 78, como «uma oração de ação de graças e de consagração», isto é, a Oração eucarística, no seu conjunto, da primeira à última palavra, é oração de ação de graças e de consagração. Mas isso não impede que se fale dos elementos que a compõem, sendo um deles, «narração da instituição e consagração» (n. 79 d).

Começa com a primeira palavra da narração da instituição e termina com a elevação do cálice e sua adoração pelo povo, uma vez que o n. 151 da IGMR diz que as palavras Mistério da fé e a aclamação do povo vêm a seguir à consagração. Se vêm a seguir é porque a consagração já terminou.

Para auxiliar a uniformidade dos gestos, é possível que “um pouco antes da consagração, se parecer oportuno, o ministro pode chamar a atenção dos fiéis com um toque de campainha” (n. 150). Habitualmente, este “um pouco antes” é a epiclese, ou invocação do poder do Espírito Santo, a deduzir-se do gesto do diácono: «Desde a epiclese até à ostensão do cálice, o diácono permanece habitualmente de joelhos» (n. 179).

É permitido também, “onde for costume, que o povo permaneça de joelhos desde o fim da aclamação do Sanctus até ao fim da Oração eucarística, é bom que este se mantenha”.