sexta-feira, 26 de março de 2010

Declarações sobre os casos de pedofilia

 Diante da onda de ataques contra a Igreja Católica e, particularmente, ao Papa Bento XVI, (vide notícias relacionadas no Google Notícias), na qual as notícias são lançadas superficialmente, deturpadas, copiadas, recopiadas, remascaradas e difundidas, falta um pouco de seriedade da imprensa.
Por que o levantamento de tantos casos passados, justamente agora, e a tentativa ferrenha de relacionar o Papa em todo e qualquer caso? Segundo algumas personalidades da Igreja, como os Cardeais Bertone, Saraiva Martins, Pe. Lombardi, Pe. Cantalamessa, tudo isso faz parte de uma intensa campanha contra a Igreja, que vem por ondas. Estamos agora no topo, com a tentativa de incriminar o Santo Padre.
Mas a verdade prevalecerá. E a Igreja sairá vitoriosa, conforme a promessa de seu Divino Fundador, Nosso Senhor Jesus Cristo.

Veja as últimas declarações sobre os casos, muito mal (ou nunca) conhecidas pela imprensa sensacionalista:

"Declaração do Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, SI, sobre o caso MURPHY

A seguir está o texto completo da declaração dada ao New York Times, em 24 de março de 2010: (original em inglês)

O trágico caso do padre Lawrence Murphy, um sacerdote da Arquidiocese de Milwaukee, envolveu vítimas particularmente vulneráveis, que sofreram terrivelmente com o que ele fez. Por abusar sexualmente de crianças que eram deficientes auditivos, o Padre Murphy violou a lei e, mais importante, a confiança sagrada que suas vítimas havia colocado nele.

Durante meados dos anos 1970, algumas das vítimas do Pe. Murphy relataram seu abuso às autoridades civis, que investigaram-no naquele momento; no entanto, segundo relatos da imprensa, a investigação foi abandonada. A Congregação para a Doutrina da Fé, não foi informado do assunto, até cerca de vinte anos depois.

Tem sido sugerido que existe uma relação entre a aplicação do Crimen sollicitationis [Instrução sobre crime de solicitação durante uma confissão sacramental] e a não notificação de maus-tratos às autoridades civis no caso em apreço. Na verdade, não existe essa relação. De fato, ao contrário de algumas afirmações que têm circulado na imprensa, nem Crimen, nem o Código de Direito Canônico nunca proibiram o relato de abuso às autoridades policiais.

Na década de 1990, depois de mais de duas décadas passadas que o abuso tinha sido relatado aos à diocese e à polícia, foi apresentado à Congregação para a Doutrina da Fé pela primeira vez a questão de como tratar o caso Murphy canonicamente. A Congregação foi informada do assunto, porque se trata de solicitação no confessionário, que constitui uma violação do sacramento da Penitência. É importante notar que a questão canônica apresentada à Congregação foi alheia a qualquer processo civil ou criminal potencial contra o Padre Murphy.

Em tais casos, o Código de Direito Canónico não prevê sanções automáticas, mas recomenda que seja feito um julgamento, não excluindo mesmo a maior pena eclesiástica de demissão do estado clerical (cf. cânone 1395, no. 2). À luz dos fatos de que o Padre Murphy era idoso e com a saúde muito ruim, e que vivia em reclusão e que as alegações de abuso tinham sido relatadas há mais de 20 anos, a Congregação para a Doutrina da Fé sugeriu que o arcebispo de Milwaukee, em consideração a resolução da situação, por exemplo, restringisse o ministério público de Pe. Murphy exigindo que ele assumisse a plena responsabilidade pela gravidade de seus atos. Pe. Murphy morreu cerca de quatro meses depois, sem mais incidentes."

Declaração do dia 26/03/2010 (em inglês e italiano):

"O Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé , padre Federico Lombardi, quando perguntado por repórteres sobre um novo artigo no The New York Times em 26 de março, com referência ao período em que o cardeal Ratzinger foi arcebispo de Mônaco da Baviera, referiu-se ao comunicado divulgado esta manhã, da Arquidiocese do Mónaco, onde se lê: "O artigo no The New York Times não contém nenhuma informação nova para além do que a arquidiocese já informou sobre o conhecimento da situação do então padre H".

A Arquidiocese confirma sua posição de que o então arcebispo não sabia da decisão de restabelecer o padre H. à pastoral paroquial.

Recusa-se qualquer outra versão como mera especulação.

O então vigário-geral, Dom Gerhard Gruber, assumiu total responsabilidade por sua própria decisão errada de reassumir H.  à paróquia."

Blog Widget by LinkWithin
Postar um comentário