sábado, 13 de fevereiro de 2010

Mensagem de Sua Santidade o Papa Bento XVI para a Quaresma de 2010

A justiça de Deus está manifestada mediante a fé em Jesus Cristo
Este ano, o Papa nos oferece uma reflexão sobre o tema da justiça. Por coincidência, o tema está muito ligado ao que propõe a Campanha da Fraternidade no Brasil. Vejamos os principais pontos. Mensagem na íntegra em http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/messages/lent/documents/hf_ben-xvi_mes_20091030_lent-2010_po.html.

A definição clássica de justiça, “dar a cada um o que é seu”, apresenta uma limitação: “Aquilo de que o homem mais precisa não lhe pode ser garantido por lei”. Para que homem viva em plenitude, ele precisa “daquele amor que só Deus lhe pode comunicar”. “São certamente úteis e necessários os bens materiais” mas, “mais do que o pão ele de fato precisa de Deus”.
De onde vem a injustiça? Responde o Papa com o texto de São Marcos: “Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa tornar impuro. Mas o que sai do homem, isso é que o torna impuro. Porque é do interior do coração dos homens, que saem os maus pensamentos” (Mc 7,14ss). Existe em nós a tentação de colocar a origem do mal numa causa exterior. “Esta maneira de pensar - admoesta Jesus - é ingênua e míope”. Existe em cada homem “uma força de gravidade estranha que o leva a dobrar-se sobre si mesmo, a afirmar-se acima e contra os outros: é o egoísmo, consequência do pecado original.
Como pode o homem libertar-se deste impulso egoísta e abrir-se ao amor?
Justiça, na Bíblia, “significa, dum lado a aceitação plena da vontade do Deus de Israel; do outro, equidade em relação ao próximo (cfr Ex 29,12-17)[...]. Mas os dois significados estão ligados, porque o dar ao pobre, para o israelita nada mais é senão a retribuição que se deve a Deus, que teve piedade da miséria do seu povo. [...] Para entrar na justiça é portanto necessário sair daquela ilusão de auto-suficiência”.
A justiça de Deus, Cristo, é “a justiça que vem da graça, onde não é o homem que repara, que cura si mesmo e os outros”. Em Cristo, “manifesta-se a justiça divina, profundamente diferente da justiça humana. Deus pagou por nós no seu Filho o preço do resgate, um preço verdadeiramente exorbitante. Perante a justiça da Cruz o homem pode revoltar-se”, porque nele o homem descobre que “precisa de um Outro para ser plenamente si mesmo”. Converter-se a Cristo, acreditar no Evangelho, significa “sair da ilusão da auto-suficiência para descobrir e aceitar a própria indigência”.
A fé, então, “não é um fato natural, cômodo, óbvio: é necessário humildade para aceitar que se precisa que um Outro me liberte do “meu”[...].

Blog Widget by LinkWithin
Postar um comentário