segunda-feira, 25 de março de 2013

Relações e Processões Divinas (Santíssima Trindade)

A essência é aquilo que faz coisa ser o que é.
A essência do homem é a humanidade (não é o corpo, o formato, a matéria; estes são "acidentes", podem estar presentes ou não).

A essência de Deus é Deus mesmo, ou a divindade. Essa essência (ou natureza) é eterna, una, imutável, etc. Não há nenhum tipo de distinção de essência em Deus: as três Pessoas tem a mesma essência: a divindade, idêntica.

A distinção que existe em Deus é nas Pessoas. Aqui porém, temos que apelar para a analogia e a linguagem insuficiente:
Aquela Pessoa que é o "princípio" da divindade, que "dá origem" as outras duas Pessoas, chamamos Pai.
O Pai, desde toda eternidade e para sempre, continuamente ama, contempla, visualiza a Si mesmo. Esta sua Imagem, que é Ele mesmo, não é outro Deus, mas o "si mesmo", o objeto do amor do Pai: é o Filho. A esse ato eterno chamamos "geração", por analogia ao ato humano da geração dos filhos, que é diferente de criação. O filho (e também o Filho eterno de Deus) não é criado, mas "sai" do Pai.
Não houve um momento em que o Filho não existia; Ele existe sempre, Ele é gerado, contemplado, na eternidade, continuamente, está sempre diante do Pai.

Desse amor mútuo entre o Pai (amante) e o Filho (amado) podemos distinguir um terceiro elemento, que é o próprio Amor. A relação entre o Pai e o Filho não pode ser outra coisa senão também natureza divina. Não é algo de fora que faz o Pai amar o Filho, mas é o próprio Deus que ama a si mesmo e é amado por si mesmo. A essa relação damos o nome de "procedência" e corresponde à Pessoa do Espírito Santo: Ele não é "gerado" como o Filho porque "sai" de ambos - procede da relação entre o Pai e o Filho.

É próprio do Pai gerar;
É próprio do Filho ser gerado;
É próprio do Espírito Santo proceder de ambos.

O processo (daí procedência, proceder, processão) de relação que dá "origem" ao Espírito Santo chama espiração, porque seu termo é o Espírito. Espiração (com s mesmo) é o termo usado para designar a procedência do Espírito Santo: Ele é espirado, exalado do Pai e do Filho, de ambos, não de um ou outro. No ato eterno de geração do Filho pelo Pai, da contemplação de ambos "sai" o Espírito Santo.

Atenção para o fato de que este é um processo em Deus eterno; não se dá no tempo, como se o Pai existisse sozinho, depois gerou o Filho e de ambos ocorre a espiração. Não, desde sempre, simultaneamente, eternamente, o Pai gera o Filho e de ambos procede o Espírito Santo.

A relação do Pai para com o Filho é a Paternidade;
A relação do Filho para com o Pai é a Filiação;
A relação do Pai e do Filho (porque a procedência é de ambos) para com o Espírito é a Espiração Ativa (porque o Pai e o Filho agem, espiram)
A relação do Espírito Santo para com o Pai e o Filho é a Espiração passiva (porque o Espírito sofre a ação, é espirado)

Temos, então, quatro relações em Deus.
Pai --> Filho
Filho --> Pai
Pai e Filho --> Espírito
Espírito --> Pai e Filho

(resumo de material do Curso de Iniciação Teológica: www.cursoscatolicos.com.br)

Blog Widget by LinkWithin
Postar um comentário